Fragmentos de você... Que ficaram em mim...

...A necessidade que se faz em mim de tê-lo por perto e ouvir-te a voz.
Horas a perder-me e envolver-me em palavras que acariciam a alma e fazem cavalgar por campos longínquos de uma aventura impossível...
Lembrando que não me é lícito aventuras.
E a te entrego-me com sede não sei ao certo do que, sinto-me estranha é tudo muito intenso, provocativo, aflora sentimentos e pensamentos e desejos, contidos, escondidos, desconhecidos...
Pertenço a um mortal e vem a mim um ANJO? Ai de mim...
Minha doce criança...
Tudo que lhe digo não parte de mim, mas sim do que você exala em cada poro.
Sou apenas o reflexo, portanto minha menina saiba que ainda tenho muita beleza para expressar porque toda ela provem de você... Menina... Mulher... Sapeca e sedenta de felicidade.





...Ah meu amor, meu anjo. Sede essa que si faz voraz insensatez de uma menina descobrindo novas e extraordinárias sensações ou quem sabe a muito esquecidas...
...Em breve me esquecerás e mortalmente ferido ao entardecer de solidão e dor por tua ausência direi ao sol.
E lá se vai ela, como sereia que como prêmio ganhou asas e partiu voando rumo ao horizonte banhada de adeus...
...Não! Banhada de sede em toda sua plenitude e insensatez de menina sereia que descobre que ganhou asas e quer voar e encontrar aquele as deu e com elas emoções errantes e inimagináveis no mundo escuro no qual vivia.
...Ah minha pequena as asas são provenientes desse espírito de anjo e cheia de luz guia que você tem...
Nada tenho a ver com elas, apenas sou um feliz espectador do momento do seu renascimento e de sua auto-descoberta. E que bela fada... Que linda criança... A mim resta sim, mas a sede de ver esta insensatez e voracidade. 
...E agora o que faço eu com as asas que me deste? Mais tarde ao raiar do dia recolher-me-ei aos braços insólitos da  saudade e chorarei...Lamentarei e esperarei o cair de outra noite e novamente o terei eu?
Ou desaparecerás tal qual apareceste? E levará consigo minhas asas?
...Você menina mulher em retoques de amanhecer, com respingos de sol nos olhos e luar nos lábios...
A seu existir um brinde como agradecimento.
Por ser tão bela...
Por ser tão ímpar..
Por ser...
A meu existir, o extase por encontrá-la neste meu viver de Dante.
E poder desfrutar do néctar da poesia,
Seja em seu amor em gotas,
Seja em seus breves eclipses do coração,
Mas sempre com você,
Viver de você, ser efêmero no eterno mar...
Simplesmente mar...
...Simplesmente amar
...Simplesmente amor.
E ao amanhecer, ao acordar com os primeiros raios tudo que me restou foi uma pena, branca leve, chorei e nunca mais o encontrei. 
Resta-me tão somente a lembrança de tua voz, o afago das tuas mãos em meus cabelos o toque suave dos teus lábios nos meus num único beijo de  amor de saudade de adeus.


Ao meu amor efêmero e inesquecível.
 By Ahtange

3 comentários :

  1. QUERIDA........
    HAJA INSPIRAÇÃO!!!!!!!!!
    UAU!!!!!!
    LINDOOOOO
    BJS
    SIMONE

    ResponderExcluir
  2. Ah!!! Minha querida se tu soubesses...
    Mas a noite, as estrelas... Ele e eu o sabemos...
    Obrigada pelo carinho amiga.
    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  3. Quanto romantismo querida! Amei e esse layout ta um luxo!

    ResponderExcluir

Olá, este é um sonho estou lutando muito para torná-lo uma realidade. Dê sua opinião, critique de forma construtiva.
Obrigada, um abraço indelével.
Carinhosamente Ahtange.