O amor real promove, não aprisiona...


O amor é um bem em si mesmo, mas, pode tornar-se prejudicial se ele acontecer de maneira desordenada. 
Amar é uma possibilidade confiada a todo ser humano. E é certo que todos amam algo na vida: uns amam coisas ruins e destrutivas; outros realidades boas; alguns amam aprisionando; outros tornando livre o ser. 
O amor, quando está ausente de tempero “na medida certa” angustia e faz sofrer. 

Todo amor precisa concentrar em si a capacidade de decidir sempre pelo bem, mesmo quando esse não se constitui como a opção mais cômoda e agradável. 

O amor maduro compreende que é preciso se doar aos poucos, pois afeto em excesso sufoca e não atrai sobre si o devido respeito.
Para amar bem é preciso começar em si. Quem não se respeita e não tem sensibilidade para compreender os próprios limites, não poderá respeitar e compreender o outro. Quem não respeita o espaço de seus sagrados silêncios, confiando-os a outros, terá demasiada dificuldade para definir sua própria identidade. 
O amor, para ser leal, precisa respeitar os limites que compreendem os espaços onde o coração descansa sem se conceituar. 

O amor só é concreto quando antes de nos doarmos aos outros, conseguimos compreender e definir claramente nossa própria identidade. Quem abre mão do que é para agradar a outros vive em profunda “alienação”. 
Quem não se assume em sua singularidade naquilo que gosta e que não gosta, não poderá amar com qualidade. 

Aquele que se desprende da própria dignidade e personalidade, vive toda a vida “representando para ser aceito”. Só podemos ser amados sinceramente quando assumimos e somos assumidos integralmente em nossa verdade, naquilo que realmente somos. Amor sem pessoalidade, sem respeitar e ser respeitado, é um amor destemperado. 

Amar, sem tornar o outro cada vez mais livre, é uma maneira de camuflar um egoísmo que busca se afirmar à custa de um outro coração. 

O amor real promove, não aprisiona. 

O amor se faz perceber em uma relação, na qual, cada vez mais, nos tornamos abertos a outras pessoas e não fechados naqueles que amamos. O perfeito amor nos lança para frente, para o relacionamento com outras pessoas, e não nos reduz em nossa capacidade de nos relacionar. Nas páginas do nosso coração o conceito de amor não pode se confundir com o de posse... pois, a liberdade é pressuposto essencial na relação na qual o amor resolve fazer sua morada. 

O amor fechado está destemperado, e com certeza ocasionará diversos dissabores. Ao passo que amar da maneira certa dá trabalho, mas, com certeza, vale a pena! Quando o ser ama realiza o que é, realizando-se enquanto ser. 

Amar, com tempero e na dose certa, faz um bem enorme e dá mais qualidade ao viver. Precisamos compreender que todos somos capazes de amar e ser amados. Quando no coração existe disposição, o amor firma seus passos e constrói sua própria estrada, trazendo um novo sabor a todas as coisas. 
Não tenha medo de trilhar tal caminho, no qual perdas ensinam e escolhas formam, e permita que o amor ensine – retirando os excessos – a força de seu dom. 
Recebi este texto por e-mail e desconheço a autoria. 

0 comentários :

Postar um comentário

Olá, este é um sonho estou lutando muito para torná-lo uma realidade. Dê sua opinião, critique de forma construtiva.
Obrigada, um abraço indelével.
Carinhosamente Ahtange.