Indignação....

UPA (Unidade de Pronto Atendimento)
Olá meus amigos e leitores, o assunto hoje foge um pouco da proposta inicial do blogue.
Mas não posso deixar de registrar e compartilhar minha revolta e indignação  estou muito triste com os últimos acontecimentos.
Quarta - feira meu filho foi para a escola e voltou mais cedo pois passou mal, dores nas pernas e coluna, motivo; ele tem uma lesão na coluna mal formação. Bem, na sexta ele piorou e liguei para a emergência solicitando uma ambulância pois as dores o impediam de sentar-se, teria que ser removido em uma maca. Ao ser atendida a surpresa quando informei que gostaria de ir a uma UPA ( Unidade de Pronto Atendimento).
A atendente Edilene disse que seria impossível uma vez que o SAMU não tem permissão para entrar nas UPAS. -Como assim? -Pois é não pode.
 Gostaria de saber qual o motivo, seriam questões políticas?( O governo em sua totalidade não devia zelar pela saúde da polução?)

Bem, pedi ajuda ao meu cunhado que nos levou até a unidade da Cidade Operária, ao me dirigir a recepção fui interrogada a cerca do estado do meu filho, relatei e fui informada que lá não tem ortopedista. Que eu deveria me dirigir a outra unidade no Araçagi, perguntei se teria a possibilidade de ser levada por uma ambulância.(UPA fará 1º atendimento ao paciente. Se precisar, ele é transferido de ambulância ). Isso diz-se na matéria vinculada a mídia.
_ Senhora infelizmente não pode ser, só tem uma ambulância e vai sair com um paciente grave.
A senhora aguarda e um médico vai  ver o que pode fazer. Detalhe, tinha muita gente esperando e ele não podia sentar-se e já não conseguia ficar de pé, devido a lesão ele tem uma perna mais curta e é nessa que apoia todo o peso do corpo, nossa! Muita coisa não posso detalhar se não vou levar dias aqui.
_ Olha, no momento eu quero algo para passar a dor sei que o caso é grave e não posso ficar assim ele é deficiente tem que ter prioridade ou não? 
_ Senhora aqui não podemos fazer muita coisa. 
E depois de muito blá, blá, blá eu ameacei chamar a imprensa, chamaram a assistente social que logo amenizou a situação e ele foi atendido. ( um paliativo para a dor) 
Enquanto eu esperava quase em desespero pois não podia entrar com ele fiquei observando o desespero das pessoas, seus rostos cansados e contorcidos pela dor física e pelo abandono a que somos submetidos.
Conversei com uma jovem estudante, Bianca que lamentava pois a irmã chorava de dor a muito tempo ali esperando sem atendimento.
Pouco depois chega uma senhora com o neto, segundo ela a criança sentia dor de barriga desde a noite anterior, mas ela foi convidada a retornar quando a criança estivesse com febre. A senhora Joana Batista, gritava em desespero e acabou por desistir.
Nesse ínterim, questionei junto a uma funcionária a ambulância parada lá no pátio e pasmem, era de um presídio disponibilizada a um preso que estava na unidade e tendo atendimento digamos prioritário. ( ele se envolveu em uma briga na cadeia) E ele era mais importante do que os que aqui fora trabalham de sol a sol para que ele tenha atendimento prioritário, será que ele está lá trancafiado por ser um honesto pai de família que trabalhava para o sustento dos filhos?
Ou seja, ele tem privilégio ele tem uma ambulância a seu dispor, mas o meu filho deficiente e tantos outros trabalhadores que lá estavam não tinham tal privilégio. Sou professora contratada trabalho 20h semanais e recebo R$ 590.00, o restante é imposto. E tomara não ser demitida por este desabafo. Realmente é de querer chorar e choro agora, com meu filho de volta a casa com laudo e tudo que foi feito no hospital sarah kubitschek, onde fui tão bem tratada, a maneira como os médicos, atendentes e funcionários nos tratam nos faz sentir gente. ( o difícil é conseguir, mas quando conseguimos eles fazem tudo o que é possível)
Chorei ao saber que lá nada mais poderia ser feito por ele, munida de exames e laudo fui encaminhada ao hospital Dutra, chegando lá por volta das seis da tarde, passando a noite no pátio de outra forma impossível conseguir uma consulta.( Pois o ortopedista só atende 14 pacientes em dois dias na semana) Consegui, fui toda animada levei até um encaminhamento da médica responsável,  Dr.  Patricia, não vou esquecer na última consulta ela chorou comigo, pois sabia o que eu enfrentaria lá fora. Senti nos olhos e no abraço dela o sentimento de uma mãe ao se despedir de um filho que sai sozinho para aprender com a vida, sem lenço nem documento. Voltemos a consulta, no dia ao relatar ao médico minha odisseia ele ouve  e calmamente responde.
_ Infelizmente não temos máquina para ler o cd que a senhora trouxe.
_ Como assim? O que eu faço?
O desespero me assolou me senti um nada, impotente.
_ A senhora tem que fazer outra ressonância e depois vem aqui.
_ Eu estou com tudo aqui. Se tiver que fazer tudo  outra vez vai demorar demais esperei cerca de mais  um ano para conseguir a consulta no sarah, tudo foi feito lá. O senhor sabe quanto tempo vai levar para autorizar e realizar esta ressonância?
_ Fazer o que né senhora?
E assim deu-se o encerramento da consulta. Voltei para casa com meu filho sem saber o que fazer.
Isso passou-se em meados de dezembro de 2011. Desde então o de sempre, as dores  o inchaço nas pernas etc. Mas desde quarta- feira o quadro vem tomando proporções mais sérias e eu simplesmente não sei o que fazer, então pensei vou fazer um desabafo e gritar socorro quem sabe alguém me ouve?
Amanhã vou trabalhar pela manhã e a tarde vou retornar ao hospital Dutra e tentar a assistência social.
A pergunta é. Será que vou conseguir algo? Será que tenho condições de ministrar uma boa aula, preparar recursos ou mesmo prestar atenção em um comportamento diferenciado de um dos meus alunos? Esta é a realidade do trabalhador no Brasil, estamos desamparados, sozinhos e a mercê de nossa própria sorte, eu como professora deveria ganhar um salário digno para dar uma vida digna para minha família.  Devia-se investir em educação para não ter que gastar com presídios. Aqui o grito de uma mãe desesperada com um filho deficiente que luta por um mínimo de dignidade.
Enquanto isso.... :( 





















Não me responsabilizo por estas imagens foram tiradas da internet , mas que falam por si :(
O secretário de Estado da Saúde, Ricardo Murad, destacou a importância das UPAs realizarem, em poucos dias, um grande número de atendimentos de qualidade. “Entramos nos atendimentos de urgência e emergência com unidades limpas, bem equipadas, onde não faltam médicos, remédios e estão sempre de portas abertas para receber o paciente em qualquer situação. Nas UPAs os pacientes são estabilizados e, dependendo da situação, são encaminhados para casa ou para um dos hospitais de referência até a completa resolução dos seus problemas”, explicou.
No Centro de Especialidades Médicas são oferecidas consultas ambulatoriais nas áreas de neurologia, otorrinolaringologia, gastroenterologia, pediatria, geriatria, endocrinologia, pneumologia, proctologia, cardiologia, ginecologia, ortopedia e odontologia.
A UPA é um serviço de pronto-atendimento que funciona em horário integral, inclusive nos fins de semana. A unidade está equipada para atender desde pequenas e médias emergências a pacientes graves, até que sejam removidos para um hospital.
 “O Estado está montando uma estrutura única e interligada, com profissionais habilitados e unidades construídas nos melhores padrões da medicina, para que o cidadão tenha a certeza de que, ao chegar a uma das unidades do Estado, será atendido e terá seu problema resolvido”, garantiu Ricardo Murad. 
(Trecho de matérias vinculadas a mídia) Ver na íntegra aqui:
http://www.educadora560.com.br/noticias/upas-em-sao-luis-garantem-atendimento-de-qualidade/
http://www.blogdodecio.com.br/tag/upa-cidade-operaria/ 

30 comentários :

  1. Querida amiga. Nada posso fazer além de relatar minha emoção e dividir minhas lágrimas e indignação com você. Somos vítimas do descaso dos governantes e dos que apregoam as mentiras que eles propagam. Espero que você consiga forças e algum apoio. Sua perseverança será recompensada, grite sem medo. E se sofrer represálias avise-nos. Fique em paz e que os Anjos acampem ao teu lado e amparem teu filhote. Beijos no coração.

    ResponderExcluir
  2. Amiga passei por uma situação terrivel com minha sogra que infelismente veio a falecer, se ela tivesse tido um tratamento decente com certeza ela nao teria morrido, as UPAS aqui no Rio de Janeiro sao as piores que tem. So pagamos imposto para que os corrupto tenha boa vida.
    Fico muito triste com toda essa situação em que se encontra a saúde publica.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  3. Maria, Evany, minhas amigas grata apelo carinho das duas.
    Há 18 anos sofro com meu filho, além dessas dificuldades que relatei ainda tem o preconceito.
    Mais vou continuar lutando até o fim.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Dizer o que diante do seu texto e fotos que já havia visto e algumas outras mais...
    O povo sofre, o governo mente e a sociedade faz ouvido moco. Pior é a gente ser professora e nao ter um plano de saúde sequer. E quando se passa o dia todo para fazer uma consulta, o governo nos chama de servidores que não gostam de trabalhar.
    Abraços e que Deus em sua infinita bondade, estenda as mãos Dele para te abençoar nesses exames.
    Bjkas

    ResponderExcluir
  5. Pois é Marly, e como dizer aos nossos alunos que eles precisam acreditar num futuro se o presente nos trata como órfãos. Como ir para a frente de uma turma de crianças e dizer que vale a pena estudar?
    Obrigada pelo apoio e volte sempre.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Ahtange,
    Infelizmente eu também já passei por uma situação parecida. É revoltante e como mãe, você deve se sentir impotente diante do sofrimento do seu filho ao correr com ele de um hospital para o outro sem conseguir um atendimento adequado. Muitas vezes, aqui onde eu moro, nós precisamos pagar caro por exames particulares porque se esperarmos pela rede pública, até resolverem o problema, nós já não precisaremos mais, talvez nunca mais. Isso é um absurdo.
    Certa vez, minha mãe esteve conversando com um amigo nosso e contou a ele sobre meu irmão que foi baleado durante um assalto e faleceu. O amigo perguntou se ele era bandido e quando minha mãe disse que não, ele nos explicou que os bandidos recebem atendimento mais rápido e, consequentemente, saem do hospital mais rápido. Ou seja, um cidadão honesto como o meu irmão, que estava voltando da igreja sem um tostão no bolso merece morrer simplesmente por não ser um bandido. Mas em que mundo nós vivemos???
    Eu espero sinceramente que você consiga o atendimento pro seu filho e que tenha perseverança pra continuar a lutar por ele.
    Tenha forças, dê forças.

    Um abraço.

    Ismália .

    ResponderExcluir
  7. Olá! O que posso dizer pra vc, uma mãe que luta, trabalha, cuida do seu filhos que ainda é deficiente e na hora do socorro não tem como conseguir e nem ao menos uma digna ambulancia para ir busca-lo.
    Eu não sei o que dizer.
    Já passei por algo parecido, mas nada assim, meu filho pegou pneumonia viral e o quadro dele se agravou em menos de 24 horas e quase o perdi, ao chegar no hospital com ele em meus braços quase morto, pois ele não conseguia respirar, ouvi da medica dizera mim assim: Mãe seu filho precisa ficar aqui internado com urgência, só que a pediatria está fechada e ele não pode ficar com os adultos, mas se a senhora levar ele pra casa, ele vai morrer.
    Eu cai no desespero e a medica me olhou com pena, disse que não era a culpa por tudo aquilo e eu comecei a chorar, os enfremeiros (as) que ali estavam me disse pra ficar sentada na sala de espera com ele no soro e no oxigenio, então fui eu pra recepção, assim se acontecesse algo, ao menos estaria no hospital, após uma meia hora ali, a enfremeira chegoua mim e disse que em uma salinha havia recebido alta uma criança que estava lá e que meu filho poderia ficar lá com mais 4 criança, a sala era tão pequena que mal dava pra andar, o banheiro sem lampada e o quartinho sufocante, era um tipo de consultorio medico que eles pegaram pra colocar as crianças, eu aceitei e como chorei, meu filho ficou lá 4 dias e eu rezei todos os dias para que nada acontecesse a ele naquele lugar horrivel, não posso falar mal dos medicos, enfermeiros e as pessoas que me atenderam, mas a culpa da saude estar assim são do estado, da cidade, da presidencia, que nada faz pra melhorar.
    Tive outros casos de sufoco na saude, mas nada se compara ao que vc passou.
    Boa sorte com tudo e procure a midia da record, eles sempre pegam esse tipo de materia contra a saude, envie um e-mal pra lá e pedindo socorro, qualquer coisa é só falar que tento te ajudar. Vou deixar meu face aqui, qualquer coisa, precisar de um apoio. Bjs

    ResponderExcluir
  8. https://www.facebook.com/janedosanjos?ref=tn_tnmn

    ResponderExcluir
  9. Olá Ismália,
    Muito obrigada por partilhar aqui sua experiencia que como vc quantas outras mães neste exato momento estão chorando essa mesma dor.
    é triste é desesperador demais.
    Espero em Deus que vc nunca mais passe por isso. E eu vou continuar lutando.
    Obrigada pelo apoio.
    Volte sempre.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Nossa! Amiga Jane que barra não?
    É revoltante toda esta situação, vivemos com isso enquanto vemos nossos governantes roubando nosso dinheiro descaradamente.
    Que país é esse?
    Obrigada pelo apoio.
    Volte sempre.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Ola,
    Cheguei aqui através do blogue do Christian e é de fato um absurdo o que descreveu! Impressionante que para a reforma dos estádios da Copa e Olimpíadas tem dinheiro suficiente, mas para a reforma de hospitais, contratação de mais médicos qualificados e ampliação do número de leitos falta verba.

    Enquanto a corrupção não acabar estaremos largados a própria sorte. E pior, quando chegar as eleições, todos viram santinhos e o povo esquece tudo muitas vezes em troca de uma dentadura.

    Estou rezando para que tudo dê certo.

    abraços, Flávio.

    ResponderExcluir
  13. Muito triste...Triste demais!

    Penso que em questão de Saúde, o brasileiro se sente imobilizado, com as mãos amarradas, sem poder fazer nada, ou pouca coisa.
    Emocionei-me com o teu relato, amiga . Talvez a única saída nesse nosso Brasil, seja uma mobilização popular, pra gritar bem alto a nossa indignação.

    Grande abraço e felicidades pra você e seu filho !

    Bjos da Lu...

    ResponderExcluir
  14. Ahtange, li seu relato com o coração apertado e um nó na garganta. Nunca passei pelo que vc acabou de nos desabafar, mas sou mãe e imagino a angustia que vc tem sentido. É uma vergonha vermos o descaso com o qual tratam os didadãos de nosso país. O pior é que nas eleições a primeira coisa que falam é que investirão na educação, saúde, segurança. Mas, já reparou que ao assumirem seus mandatos, os cortes de orçamentos são justamente nesses pontos? Sou professora da rede pública aqui de Goiânia e sei o que vc passa. Por aqui, o salário é "um pouco melhor" que de alguns outros municípios. Mas, ainda está longe da valorização que merecemos. Gostaria de vir aqui com sugestões para a questão do seu filho, mas nem sei por onde começar. Mas, deixo os sinceros votos de que as coisas melhorem...

    Forte abraço

    JoicySorciere => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  15. Oi, vim aqui através do blog do Christian, que maratona que essa mãe passou, não passei por isso, mas quando meu filho mais novo quebrou o joelho, tive que viajar 60 km para levá-lo a um hospital do convênio, porque o hospital municipal da nossa cidade não tinha ortopedista porque era sábado, ele só tinha um ano e meio. Como diz o Boris Casoy: Isso é uma vergonha!
    Bjos. uma ótima semana.

    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Então Flávio realmente é muito triste a realidade da saúde no Brasil. Imagina quantas pessoas estão sofrendo sem esperança.
    Obrigada pelo apoio e volte quando quiser terei prazer em recebê-lo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  17. Olá Centelha, obrigada pelo apoio.
    É fato que só uma grande mobilização
    para conseguirmos algum resultado do contrário só tende a piorar.
    Obrigada e volte quando desejar a casa é sua.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  18. Olá Luciana obrigada por ter vindo.
    É revoltante pagarmos tantos impostos e quando precisamos do retorno é isso que temos.
    Abraços amiga!

    ResponderExcluir
  19. Revoltante isso, com certeza.
    Sinto-me tão importente ao ler ou ver esse tipo de acontecimento.
    Gostaria que tudo mudasse, os politos fossem mais honestos e humanos, o dinheiro desviado usado na saúde e na educação...
    eu queria tanta coisa boa para meu país.
    Mas isso tudo é ilusão. Nunca teremos um tratamento digno.
    a não ser que consigamos dar uma reviravolta nessa politicagem toda, o que é muito dificil também.
    Sinto muito amiga, fique com minha solidariedade e meu respeito.
    Um grande abraço e boa sorte.
    Sou amiga do Christian, e a gora sua.

    ResponderExcluir
  20. Olá Ivani,
    Obrigada pelo apoio, é fato que precisamos nos mobilizar para uma mudança real.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  21. Olá!Venho lá do blog do Chris...,
    é uma situação lamentável essa, já passei coisa semelhante com meu pai, quando ele era vivo, eu tinha nem 18 anos e o peguei pelos braços e fomos de táxi de hospital em hospital nas emergências (SUS) e nada... e ele quase infartando. No final das contas, talvez um "anjinho" me assobiou no ouvido, ou sei lá... retornei para a casa, o coloquei na cama, liguei a TV na novela preferida dele... não sei o que aconteceu, mas até minha mãe chegar em casa, ele melhorou... acho que ele fez um esforço danado para estar bem, e para não me ver mal. Naquela vez, no final, deu tudo certo.
    Espero que contigo tudo dê certo também!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  22. Olá Cecília,
    Que situação amiga, temos que engolir isso é muito indigesto.
    Obrigada por partilhar e deixar seu apoio.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  23. Olá, Marly. Não pude deixar de me emocionar, e de me indignar, com seu relato. Muitas vezes reclamei de muitas coisas, mas, lendo seu desabafo, vejo o quanto sou privilegiada, inclusive porque precisei recentemente do sistema público de saúde, e, por mais demorado, trabalhoso e exaustivo que fosse (e nem foi tanto em vista do que você enfrentou)eu fui melhor atendida em todos os lugares em que estive. Mas eu sei o quanto é difícil precisar de saúde publica, só não cheguei a sentir na pele, e peço aos céus que não tenha que sentir, me dá medo só de pensar. Tenho uma filha, que é saudável, e ela apresentou um cisto no cérebro, descoberto em um exame de rotina. Felizmente parece não ser grave. Digo isso porque sei o quanto uma mãe sofre por seus filhos. Você é professora, e sei também o quanto um professor aqui não é respeitado. Absurdos desta vida sem amor e sem respeito ao próximo!

    Que o céu te abençoe, te dê forças, e ao seu filho.

    um beijo.

    ResponderExcluir
  24. Boa noite, Ahtange.
    Infelizmente, a triste situação por que passasses é a regra aqui no Brasil e não a exceção.
    Dinheiro para se pagar milhões aos políticos inúteis há de sobra, mas para construir e equipar hospitais decentes não.
    Enquanto o povo não der o devido valor ao voto e pensar mil vezes antes de votar, essa realidade não mudará.
    melhoras a seu filho e felicidades.

    ResponderExcluir
  25. Olá Ligéia,
    Grata pelo seu carinho amiga.
    Esta situação precisa ter um fim se nos unirmos acho que conseguiremos.
    Abraço e muito obrigada.
    Volte sempre!

    ResponderExcluir
  26. Então Jaques é o nosso dinheiro indo pelo ralo.
    Nós pagamos para sermos maltratados.
    Este é ano de eleição que tenhamos coragem e responsabilidade na hora do voto, que é nossa única arma contra essa podidão que nos assola.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  27. Show de horrores esse SUS.

    Eu trabalhava em um escritorio que a gente vivia fazendo mandado de segurança pras pessoas poderem fazer os exames, serem internadas e tudo mais... porque o SUS simplesmente ficava inerte e sempre dizia que nada podia fazer.

    Não vou compartilhar lagrimas e indignação contigo porque o que aconteceu com teu filho é revoltante e merece justiça.

    Por isso acho que tu deverias procurar imprensa, defensor publico, fazer denuncias, ir na coordenação do proprio hospital... porque muitas vezes as pessoas que atendem não sabem nem do que estão falando e nao tem conhecimento de causa.

    Deixar assim e virar a página, é que não pode.

    Bjs

    ResponderExcluir
  28. Oi Ahtange!
    Eu ainda não sou mãe, digo isso tendo por base o sofrimento da minha e de outras muitas mães que assim como vocês sofrem por ver os filhos sem um atendimento adequado. Mas tenha força e fé que vai dar tudo certo.

    Beijo!

    Ismália .

    ResponderExcluir
  29. Olá Letras, é mesmo um horror temos que fazer algo, precisamos.
    é uma luta que tem que ser de todos!
    Obrigada pelo apoio.

    ResponderExcluir
  30. Obrigada amiga Ismália pelo apoio!

    ResponderExcluir

Olá, este é um sonho estou lutando muito para torná-lo uma realidade. Dê sua opinião, critique de forma construtiva.
Obrigada, um abraço indelével.
Carinhosamente Ahtange.