Valorizando o nacional

Olá meus queridos trago hoje uma dica bem bacana, conheça um pouco mais deste lindo trabalho.
Na visão da também autora Fabiana Cardoso.


Sinopse:
A Rainha da Floresta conta a história da princesa Anaís, herdeira do Reino das Joias, que se descobre uma bruxa. Obrigada a fugir do reino no dia do seu noivado, ela se refugia na Floresta das Sombras, vítima de uma antiga maldição. Numa grande aventura a princesa vivencia seu processo de iniciação, se autodescobrindo e conhecendo a magia. A história, recheada de personagens interessantes, como o misterioso Grande Mago, desmistifica o estereótipo negativo da bruxa e enaltece a natureza, o feminino, a verdade e o amor.

A capa do livro A Rainha da Floresta é suave e condizente com a leitura do livro. Anaís, princesa do Reino das Joias, de vestido azul está pronta para entrar na Floresta das Sombras. Na imagem da Lua, a silhueta de uma bruxa em sua vassoura, revela a natureza da jovem. A imagem é bonita e bem apropriada.
Anaís é a princesa herdeira do Reino das Joias, um lugar muito bonito, onde o povo convive em harmonia com suas belezas naturais. O chão é repleto de jóias, mas nenhum habitante explora esse recurso e nem o Rei permite que se faça isso.
No dia em que a princesa vai ficar noiva de Victor, seu amigo de infância, ela ganha um estranho presente. O anel  mágico denuncia que Anaís é uma bruxa. Surpresa com a revelação, ela tem que fugir dos súditos que repudiam as bruxas, em sua fuga ela conta com a ajuda daquele que seria seu noivo.
Todos correram para cima de Anaís. Ela olhou assustada para o seu príncipe. Neste momento foi como se o tempo tivesse parado. Os olhos de um nos olhos do outro. O verde e o castanho por um instante se misturaram. Victor viu nos olhos castanhos de sua noiva, o medo e o espanto; a princesa sentiu a compaixão no olhar do príncipe.” (Trecho página 10)
Em sua fuga, ela chega a Floresta das Sombras, local temido por todos que moram no Reino. Por ser uma floresta sombria, sem vida e repleta de bruxas.
“O caminho era íngreme e a princesa foi se embrenhando cada vez mais para dentro da floresta.Ela procurava achar algum lugar ou alguém que lhe inspirasse confiança para poder parar um pouco e descansar. Em um dado momento, Anaís percebeu que não estava mais com tanto medo, ela se sentia segura.”
 (Trecho página 15)
A princesa que vivia muito solitária e que sempre se sentiu deslocada no Reino das Joias, conhece melhor a Floresta e seus moradores. Ela tem uma estranha sensação de liberdade e de que finalmente encontrou seu verdadeiro lugar.
 Sua mente voou longe,voltou ao passado e ela tentava achar em suas lembranças
algum momento em que tivera proporcionado alegria semelhante a alguém.
Não encontrava. Ela percebeu que vivera uma vidavazia no Reino das Jóias.” (Trecho página 29)
 Impressões da resenhista.
O livro tem uma linguagem fácil e uma narrativa ágil, a leitura flui rapidamente. Apenas, em algumas partes, achei que foi rápida demais. Alguns fatos relacionados com a maldição que recaiu sobre a floresta, poderiam ter sido explicados com mais calma. Como não li o outro livro, pois se trata de uma saga, talvez esse ponto seja melhor explorado no segundo volume.
Adorei as bruxas que a autora descreveu. Tirando o velho estigma dos contos de fadas, onde a bruxa é feia, com verruga no nariz e instintivamente maldosa. As bruxas de A Rainha da Floresta são bem originais: bonitas, convivem em harmonia com a natureza, seguem sua intuição e a maioria tem uma índole boa e generosa. Embora, Anaís, não se sentisse bem no Reino das Joias, gostei muito da descrição do lugar. Onde o respeito à natureza predomina sobre a ganância daqueles que querem se aproveitar de suas riquezas.
Realmente, uma leitura leve e agradável, onde a personagem busca o autoconhecimento, a evolução e o bem de seus semelhantes. O livro foi definido como literatura infanto-juvenil, mas recomendo a todas as idades, pelo encantamento e mensagens positivas.
Comentário da autora:
Gostei muito da resenha. Os pontos abordados são bem relevantes e achei muito interessante a forma como o resenhista contou a história ao mesclar a descrição com trechos do livro. Aliás, os trechos escolhidos me surpreenderam positivamente, pois são momentos de maior sutileza da narrativa. Fico muito feliz que as mensagens positivas tenham sido percebidas e ressaltadas. Obrigada pelo cuidado e pelo apreço por minha obra. 
Anna Leão

Bjos até a próxima.



0 comentários :

Postar um comentário

Olá, este é um sonho estou lutando muito para torná-lo uma realidade. Dê sua opinião, critique de forma construtiva.
Obrigada, um abraço indelével.
Carinhosamente Ahtange.