Valorizando o nacional

Olá meus queridos, lhes trago mais um valorizando o nacional especial.
Uma ótima dica de leitura e uma belíssima entrevista com a autora, que me cativou pela sensibilidade e doçura que deixou entrelinhas e no meu coração.
A obra 

PRINCESA DE GELO

Autor: Thayane Gaspar Jorge
Editora: MODO Editora Tradicional
Gênero: Romance Juvenil
Capa: Luciana Moreira Waack
ISBN: 978.85.65588.09-6

SINOPSE:
Eu perguntei para minha mãe assim que ela entrou no carro segurando sua bolsa marrom:
- O que você sente quando entra em uma igreja?
- Desconfortável. - respondeu ela.
- Por que?
- Porque eu não acredito em Deus.
- Então, mãe. É assim que eu me sinto num relacionamento. Porque eu não acredito 
no amor."

A autora:       
Conheça  um pouco mais desta linda e jovem autora, eu fiquei encantada.
Leia até o final está muito interessante.

M. I.   Olá querida, seja bem vinda ao meu cantinho e saiba que é um prazer tê-la aqui.
Para iniciarmos nosso bate-papo, diga-nos quem é Thayane Gaspar?

Thayane Gaspar  é uma jovem que nasceu velha por dentro. Estou sempre cansada, sou sempre atraída por tudo que é vintage, é como se cada história que eu escrevesse ou lesse, eu vivesse de verdade, tornando-me velha e vívida por conta delas. Sou o tipo de garota que se irrita com as pessoas que puderam escolher entre escrever ou não, porque eu nunca tive escolha; era escrever ou não existir.

M. I.   Vejo que ainda é bem jovem,  e tem muito talento.  Quando nasceu em você a escritora?

T.G   Eu digo desde sempre, e acredito que tenha sido mesmo. Ainda muito nova eu tinha muitos cadernos onde eu escrevia poesia, e principalmente música. Mas podemos dizer que aos 9 anos foi decisivo, pois escrevi um conto sobre um romance secreto entre o sol e lua que me rendeu um prêmio literário no colégio. E foi um caminho sem volta.


M. I.   Sei que para escrever uma obra, e conseguir publicar não é tarefa das mais fáceis. Tens alguma experiência que te marcou durante esse processo?

 T.G  Tudo me marcou, todo o processo foi de um crescimento interior incrível. Eu nunca batalhei tanto por alguma coisa como eu batalhei para escrever e publicar meu livro. Mas eu posso dizer que o que me marcou de verdade foi uma pessoa acreditar mais em mim do que eu mesma acreditava, e Adriana Vargas é a pessoa que eu não canso de citar em minhas entrevistas. Eu estava prestes a desistir quando ela me deu a mão e apostou em mim. Espero retribuí-la de algum jeito, para que ela sinta orgulho de mim e não se arrependa por tudo o que fez por mim e pela Princesa de Gelo.

M. I. Estamos na chamada era do conhecimento e das tecnologias que muito nos tem ajudado. Porém ficamos expostos a todo tipo de pessoas e opiniões. Como tem sido para você esse processo no tocante as opiniões dos leitores?

T.G  No começo foi mais fácil, por ter pouca divulgação, a chance de ouvir um comentário que me abalasse era mínima. Agora que a obra está ganhando espaço e está tendo repercussão tenho travado um duelo com meus nervos. Às vezes fico sem dormir pensando em uma opinião negativa, ou fico paranoica querendo estudar ou aprimorar algum erro apontado nas críticas construtivas. Contudo, eu esperei quase 5 anos para tornar meu livro público justamente para me preparar para isso, e lhe asseguro que nunca parece tempo o suficiente para você ler e ouvir coisas ruins sem se entristecer um pouco por dentro. Meu livro é meu maior sonho, é minha única grande conquista e de vez em quando ouvir algo ruim parece tirar esses méritos de mim.

M.I.  Sua obra A princesa de Gelo nos traz um tema muito importante e pouco difundido na sociedade e no meio literário. O que te levou a escrever sobre esse tema?

T.G  Eu acredito que tenha sido o caos da adolescência. O tema foi algo que aconteceu, foi como se eu escrevesse sem pensar na intenção de passar uma mensagem. Mas como o escrevi na adolescência aquele mundo fictício era real: as incertezas sobre o futuro, o medo do amor, o preconceito com os estereótipos, a efemeridade de sentimentos e relações, e aquele sentimento de que você nunca pertence a algum lugar e nunca é bom demais para pertencer. É um mundo passageiro, conturbado, que eu consegui eternizar naquelas páginas.

M.I.  Seu público alvo é o jovem que está cada vez mais perdido em seus próprios mundos e dores. Em que sentido sua obra poderá está influenciando essas mentes por vezes atormentadas por suas decepções?

T.G  Na identificação. Jovens tem a mania de achar que eles são os únicos que sofrem de algum mal, são egocêntricos. Acho que ao lerem Princesa de Gelo vão ver que é normal se sentir assim, e que vão ter que ser fortes para acharem seu final feliz durante essa fase.

M.I.  Alessa tem um comportamento suicida aparentemente sem motivos. No tocante ao comportamento humano de acordo com a psicologia, o indivíduo passa por várias fases até atingir maturação e maturidade, e a adolescência é a fase mais difícil com todas as transformações a que está sujeito. Onde a busca por autoafirmação se torna um grande problema.
Seria esse o caso de nossa protagonista?

T.G  Sim! A Alessa é uma menina que faz das crenças sua personalidade. Ela não acredita no amor, e isso tira todo o chão dela. Isso impede que ela ame os pais, os amigos e namorados. O problema de não acreditar no amor não é não encontrar sua alma gêmea, e sim não se conectar as pessoas e a si mesma. E o adolescente tem de estar conectado a ele mesmo para passar da adolescência e se manter estável durante a volubilidade de emoções e personalidades.

M.I. Vi ainda pouco uma opinião que desmerece o assunto, bem como a personagem segundo a visão da leitora “A protagonista não convenceu ou não teria motivos para tal”. “ Tenho enorme preconceito quanto ao assunto”.
Você imaginou que alguém teria essa reação?

T.G  Nunca, foi um choque. Nunca pensei que uma pessoa teria coragem de admitir um preconceito desse tipo. Os suicidas existem, e são pessoas que acham que o mundo virou as costas para eles, imagina se sabem que existe uma pessoa que diz de peito aberto que acha que uma pessoa que se automutila é “idiota”? É um comentário insensível e cruel, que não deveria ser dito como orgulho como foi dito na situação. A nossa sorte é que a Alessa Deluise é fictícia, o que ameniza termos sido expostas a esse comentário absurdo.

M.I.   É de praxe ao final de uma entrevista sugerir-se que o autor deixe um recado para os leitores. Hoje será diferente, peço a você o espaço para eu deixar a você autora um recado.

* Vivemos em uma sociedade cada vez mais robotizada e desumana, na qual a grande maioria das pessoas vive limitada em seu mundinho de”merda preocupado apenas com seu próprio eu, sem se importar com o outro, sem parar por um minuto para dizer - ei você está bem? Posso te ajudar?
A humanidade está carente de “humanos” e a modinha literária de livrinhos perfeitinhos (nada contra) que não chocam ou dividem opiniões são os mais aceitos e comentados. E quando aparece algo que toca na ferida, que choca, vem a rejeição e hipocrisia. 
Uma pessoa se suicida a cada 30 segundos no mundo, diz OMS.
O suicídio é algo recorrente na sociedade e muitos são os motivos. Para quem está de fora pode parecer banal, mas para quem sente é insuportável, e quando toma tal atitude é por não mais suportar. Mas não temos tempo para sentir a dor do outro, ou entender seus motivos e tentar ajudar. Criticar é sempre mais fácil.
Aplaudo você pela coragem de abordar o assunto e mostrar que pode ser evitado. Mostrar que problemas existem e sempre vão existir e cabe-nos resolvê-los.
Aplaudo a Editora Modo que vem mostrando seu potencial e sua visão ampla de mundo, da vida e da literatura quando abraça o novo.
Obrigada por me conceder o prazer de conhecer mais sobre você e sua obra.

Fique a vontade para suas considerações. Grande abraço.

T.G  Muito obrigada. Você acabou de dizer que vivemos num mundo onde as pessoas não se importam com as outras, e você se importou com o que eu tinha a dizer e sentir em relação a repercussão do meu livro. Eu vivo dizendo que autor de verdade é aquele que ajuda outro autor como se fosse em benefício próprio, pois são esses autores que reconhecem a dificuldade do ofício e reconhecem que atrás de um livro há uma pessoa sendo exposta e dando o melhor de si em palavras. Obrigada, obrigada, obrigada. Você acabou de escrever um final feliz para este capítulo da minha vida.







14 comentários :

  1. Adorei ser entrevistada por você! Sucesso para você! <3

    ResponderExcluir
  2. Fantástica. Simplesmente fantástica a entrevista. Tanto as perguntas quanto as respostas. Fiquei imensamente tocada com a forma como a autora respondeu cada pergunta de forma simples e objetiva e ao mesmo tempo com o coração. Surpreendentemente ainda não conhecia a obra mas vou adicionar na minha estante do skoob e me ofereço para qualquer tipo de divulgação, caso a autora queira.

    Beijos amiga, mandou bem!

    ResponderExcluir
  3. Oi Neivinha tenho amado tua presença aqui parceira. O tema do livro Princesa de gelo é sério e merece todo respeito. Fiz um pouco do que eu gostaria que alguém tivesse feito por mim quando fui tratada de forma depreciativa quanto ao meu livro antes da publicação. Acho que todo autor merece respeito, mesmo que sua obra não seja tão boa o que não é o caso dos livros em questão. Merece respeito por se dedicar, por passara horas a fio escrevendo e batalhando por seu sonho. Desprezo esses pseudo-críticos de merda que pensam que sabem de tudo e saem por aí machucando as pessoas. Obrigada amiga pelo apoio.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. MInha amiga, você está realmente valorizando o nacinal. Eu ameiiii ler sua entrevista para essa autora maravilhosa, que fiquei encantada em conhecê-la.

    Thayane Gaspar, parabéns pelo livro, pela entrevista, que de uma forma tão claro você mostrou para todos a maravilhosa escritora que tem dentro de você.

    Parabéns às duas pelo post maravilhoso, pelas perguntas e pelas respostas.

    bjs

    http://marcia-pimentel.blogspot.com.br/2012/10/relancamento-do-livro-arma-escarlate-da.html

    ResponderExcluir
  5. Ela é mesmo encantadora e foi um prazer imenso entrevistá-la e conhecer um pouco mais de seus pensamentos.
    Obrigada querida pelo carinho é muito bom tê-la sempre por aqui.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  6. A Thayane é uma dessas meninas apaixonantes. Sou apaixonada por ela desde que a conheci - a escrita, a forma toda especial de se expor e colocar seus sentimentos, lembra-me muito da pessoa que mais conheço na vida - eu. Por trás de toda essa menina aparentemente frágil, existe uma fortaleza literária; algo maduro e concreto. O livro Princesa de Gelo traduz o belo e incomum. O trecho sobre o suicídio foi apenas uma mera passagem, o livro em geral é muito mais do que um ou dois acontecimentos, precisa ser visto de forma compacta e absorvendo o monstro de talento que tem Thayane. Quem lê e retira conclusões apenas de partes de um livro, infelizmente, aprendeu apenas a ler. Ainda precisa aprender a sentir e reconhecer talento.
    Obrigada minha linda entrevistadora pelo espaço e oportunidade concedido a esta estrela Thayane Gaspar. Beijos, amei a entrevista.
    Adriana.

    ResponderExcluir
  7. Bacana mesmo a entrevista , parabéns as duas acho interessante saber um pouquinho que seja de quem a gente lê ou tem sido lido.Principalmente hoje em dia como ela mesmo citou, as pessoas não param pra ouvir e as vezes perdem tempo escutando bobagens ...
    Bjs
    http://mundoliterando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Adorei a entrevista.
    Já conhecia o trabalho dela, acho incrível.
    É super importante divulgar o autor nacional. Tantos talentos ai, só precisando de um espaço.
    Parabéns pela incentivo.
    Beijinhos,
    http://fulanaleitora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Adriana, que felicidade tê-la aqui.
    Obrigada por ser quem és e por nos acolher com tanto carinho.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  11. Márcia, obrigada pela visita espero que volte outras vezes terei muito prazer em recebê-la. É mesmo bom não é ? Nos aproxima mais do autor
    Bjos!

    ResponderExcluir
  12. Olá Kezia, bem vinda linda.
    Volte sempre estarei sempre aqui a sua espera. Isso é amiga tem muita gente boa que só precisa de oportunidade.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  13. Oi Ahtange

    Parabéns pela entrevista! Gostei muito de conhecer mais esta autora talentosa que é a Thayane Gaspar!

    beijos Fabi

    ResponderExcluir

Olá, este é um sonho estou lutando muito para torná-lo uma realidade. Dê sua opinião, critique de forma construtiva.
Obrigada, um abraço indelével.
Carinhosamente Ahtange.