Valorizando o nacional


Olá meus queridos, hoje mais um nacional este é de arrepiar.
Você tem medo do escuro? Então vem comigo que vais encarar o medo do escuro e outras histórias de arrepiar. Antes vamos conhecer um pouco mais desta encantadora autora.

Vamos conhecer um pouco mais desta linda e talentosa escritora.

Quem é a Maud Epascolato?

É uma pessoa cheia de sonhos, que acredita, que se doa, que sorri, mas que também se aborrece com injustiças e que se impacienta com a falsidade, com a bajulação e com quem quer se dar bem em cima dos outros. Uma escritora que sofre por uma linha, que tenta, que corre e que se orgulha de galgar os degraus da vida sem passar por cima de ninguém.
  

Durante a jornada, desde a criação até a publicação, quais foram as principais barreiras que você precisou superar?

O livro ficou muito tempo engavetado. No meu caso, acho que a maior barreira fui eu. Simplesmente não acreditava que pudesse colocar o livro no mercado, começar uma carreira com um livro de contos. Os leitores preferem romances (narrativas longas). É difícil um leitor se aventurar num livro de contos de um autor que nunca publicou nada e é brasileiro. Eu mesma ficaria meio reticente. Mas vi que estava errada.
Outras barreiras são o mercado de livros e a condição financeira do autor. O autor brasileiro ainda precisa arcar com muitos custos, e não digo apenas de publicação, mas no caso de brindes, de doação de livros, se deslocar para fazer divulgação. A maioria dos escritores no Brasil tem outra profissão e não pode ficar se deslocando de um lado para o outro.

O que ou quem te inspirou a escrever esta obra? Quanto tempo levou até finalizar e publicar?
Eu lia muitos contos de terror na época que escrevi. Estava apaixonada por Allan Poe, e essa paixão fez com que eu me voltasse para narrativas curtas. A inspiração para os contos saíram de sonhos, de acontecimentos pessoais, da imaginação... Escrevi “Medo do Escuro e outras histórias” em 1998. Finalizei no início de 1999 e só publiquei em 2013. Ele ficou esse tempo todo engavetado, até que o tirei no início de 2012. Vi que eu poderia tentar a publicação, pois o mercado estava se abrindo. O convite para a publicação veio rápido.

Como foi para você ter seu livro como revelação da editora durante a bienal?           
Eu não esperava tanta receptividade, mas sabia que as pessoas estavam curiosas com o livro pela quantidade de mensagens que eu recebia pelas redes sociais. Quando soube que o livro estava tendo uma boa aceitação na bienal, fiquei muito feliz. É um orgulho e uma emoção enormes. Traz aquela sensação de “Puxa vida! As pessoas estão lendo aquelas histórias que escrevi há tanto tempo!” Eu tinha 18/19 anos quando escrevi, e aquela menina não tinha a menor esperança de chegar a publicar aqueles textos.

Como você encara essa questão de parceria com blogs? Você já foi enganada quanto à parceria?
Os blogs são necessários para ajudar na divulgação das obras, que, infelizmente, não são divulgadas pela mídia. Fiz algumas parcerias, mas não tenho como enviar livros para tantos blogs, por isso limitei o número de parcerias.
Não tive problemas até agora. Estou caminhando com cuidado nisso pela experiência de outros autores. Acho que fiz boas parcerias. Os parceiros têm sido muito pontuais. Alguns chegaram a comprar o livro e já fizeram resenhas.

Maud, algumas das histórias são sinistras, confesso que senti um pouco de medo (risos). O que te inspirou a criar essas histórias?

Algumas foram inspiradas em sonhos, como A Flor de Papel Crepom. Outras foram inspiradas em situações que vivi, como O Armário e Medo do Escuro. Já outras foram obras da imaginação mesmo, como O Quarto de um Desconhecido e O Sótão.

Das histórias para mim, O suicídio de Esther foi incrível. Fiquei assim pasma com tudo aquilo, quais autores te inspiram?

Eu gosto de muitos autores de terror, mas os meus preferidos são Allan Poe, Lovecraft, Stephen King, Dean Koontz e Richard Matheson. Gosto de histórias policiais também e adoro Agatha Christie, Dennis Lehane e JohnVerdon. Outros autores que amo são Carlos Ruiz Zafón, Paul Auster e Oscar Wilde.
Entre os autores nacionais, destaco Robson Gundim, Gabriel Réquiem, Lucas Odersvänk, Raphael Montes, Cristiane Broca, Garcia-Roza, Fabiana Cardoso e Décio Gomes.

Tem algum em especial ou essa inspiração vem de histórias ouvidas na sua infância?

Algumas das histórias da minha infância, eu não consegui reproduzir por falta de dados, mas ainda vou criar um trabalho com base em uma dessas histórias.
Bem, Allan Poe foi minha maior inspiração nesses contos. Como eu disse, alguns contos saíram de sonhos. Eu não costumo me lembrar de sonhos. Quando me lembro de alguma cena, tenho que escrever. Foi o que aconteceu com A Flor de Papel Crepom. Acordei com apenas uma cena na mente, e ela me perturbou por algum tempo. O problema é criar um enredo que leve até aquela cena.

Fale um pouco sobre seus futuros projetos.

Estou escrevendo um romance que deve ficar pronto no início do ano que vem, sem previsão de publicação para 2014. Talvez só em 2015. Já tenho outros dois reclamando para serem escritos logo depois desse. Mas ano que vem devo colocar alguns contos inéditos na Amazon, pois muitos leitores estão me perguntando onde podem encontrar outros trabalhos meus. Só está faltando as capas dos contos, coisa que não está fácil de conseguir...

Deixe um recado para nossos leitores.

Quero agradecer a cada um que entra em contato comigo, que leu o livro, que vai ler, que quer ler. O carinho dos leitores é o maior pagamento que um escritor recebe. Como escritora, você sabe disso, né, Ahtange? O escritor brasileiro vive mesmo dos leitores que acreditam no seu trabalho. Portanto, gostaria de pedir um apoio maior dos leitores à literatura nacional.
Leitor, dê uma oportunidade a um escritor brasileiro. Compre um livro, leia esse livro e, se possível, faça uma resenha para que a visibilidade seja maior. Tenho certeza de que vai se encantar ao perceber que temos tantos escritores talentosos.
Obrigada pelo carinho e pela oportunidade, Ahtange. Adorei esse contato maior com você. Beijocas no seu coração.
A obra: sinopse

Você tem medo do escuro? Acredita no desconhecido?
O suspense e o mistério irão levá-lo para a escuridão, onde o sobrenatural rivaliza com a incredulidade humana, mostrando que nem tudo o que desacreditamos é obra de nossa imaginação.
Prenda a respiração. Apavore-se. Desoriente-se, pois escapar pode parecer impossível…
Mergulhe no suspense e deixe que a leitura o leve – página a página – ao aterrador final.



Minhas impressões:
"Era início de uma tarde quente... Entrei no ônibus e me acomodei na minha poltrona. Sempre janela, faço questão, era mais uma das minhas viagens. Bem... Confesso que não foi muito fácil concluir, pois senti um misto de fascinação e medo. Uma coletânea de contos muito bem construídos, eu diria até bem demais. No primeiro conto, logo de cara, eu pude reviver alguns momentos de puro terror que sentia quando criança. Nossa, que coisa, eu podia imaginar cada cena descrita pela autora e prendia a respiração... Fechei os olhos e me deixei embalar, e então, tudo começou a acontecer e já fora do meu controle. Eu estava lá, vivendo tudo, eu estava na casa, corri escada abaixo... Saindo do Sótão, me deparo com... O armário. Meu Deus, o que foi aquilo? Páginas de pequenos e grandes sustos. Parei a leitura ao final desse conto e precisei tomar coragem para prosseguir a aventura, nem me dei conta que já escurecia... Olhei pela janela e me deixei hipnotizar pela paisagem que se desenhava diante dos meus olhos. Eu fazia muita força, empurrava e batia até, finalmente, conseguir fechar a porta assustadora do armário; eis que me deparo com Emílio Garcia, figura estranha, excêntrica ou autêntica? ... Deixei-o sair correndo, e o medo do escuro me tomou com toda sua força. E, em meio a tudo, uma tragédia se abate e testemunho... O suicídio de Esther. Minha Nossa! Que visão, que loucura. Senti medo, porém encontrei A flor de papel crepom e, quer saber? Me senti vingada... Mas, a jornada seguia e ver Sangue na janela do vizinho quase me levou ao delírio, sem me dar conta que estou parada, olhando fixamente para uma porta, era... O quarto de um desconhecido, e foi o ápice do terror, momentos de prender o fôlego e engolir em seco para não sufocar. E como se não bastassem tantos sustos e aventuras aterrorizantes, encontro finalmente... Um homem no espelho, que me olhava como se quisesse me prender ali dentro... Então ouço ao longe uma voz doce que cantava... Boi, boi, boi, boi da cara preta pega este menino que tem medo de careta... Parei, e fiquei ali ouvindo, tremendo e ouvindo a voz cada vez mais perto e mais cadenciada. Eu a reconhecia... Era de uma linda bruxa de longos cabelos negros e olhos tão lindos e um sorriso doce, meigo e cativante. Sim, eu a conhecia. Era ela, Maud Epascolato, uma escritora fantástica. Então lembrei com alívio: eu apenas havia me transportado para dentro dos contos que ela escrevera de forma tão brilhante que pareciam reais. Ela sorriu e sussurrou ao meu ouvido: “Você tem MEDO DO ESCURO? Venha, te conto outras histórias... Acordei e estava com o livro aberto no meu colo, então continuei a leitura... Confesso que não foi muito fácil concluir, pois senti um misto de fascinação e medo... (ahahahahahahahahahah)
 
Maud, muito obrigada minha querida, você foi muito fofa e foi um prazer conhecer um pouco mais sobre você.
Espero que tenham curtido tanto quanto eu, até a próxima.

6 comentários :

  1. Ahtange, a Maud é uma fofa. Eu amo histórias de terror e já estou pensando em incluí-la na lista de 2014. Obrigada por me mostrar mais essa novidade. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz que tenho gostado (e se assustado...rsrs) com o livro, Ahtange. Estava ansiosa para conhecer sua opinião. Beijocas no coração.

    ResponderExcluir
  3. Deixo aqui meus votos de muitas alegrias, paz e felicidades, além de saúde nestas festas de fim de ano.
    Um grande Natal e um ANO NOVO recheado de realizações.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Olá Lua, bem vinda flor. Fico feliz que tenha gostado.
    Boas Festas e volte sempre.

    ResponderExcluir
  5. Maud, foi um grande prazer tanto a leitura como conhecer um pouco mais de você.
    Bjinhos linda!

    ResponderExcluir
  6. Malu é tão bom ter vc por aqui amiga.
    Boas Festas!!!!

    ResponderExcluir

Olá, este é um sonho estou lutando muito para torná-lo uma realidade. Dê sua opinião, critique de forma construtiva.
Obrigada, um abraço indelével.
Carinhosamente Ahtange.