O QUE VEM POR AI?








Olá meus queridos, me perdoem pelo tempo sem atualizar, mas meu trabalho me consome, ainda não posso viver da escrita, então tenho que trabalhar muito para manter este meu sonho.

SINOPSE:
Vítima de um acidente, anos antes Luciano Alcântara, ao se deparar com seu amor, não se lembra, porém sente algo profundo e insondável...

Sua memória completamente apagada, nem imagina que seu irmão gêmeo, Lucas Alcântara imbuído de ódio e inveja usurpa sua vida, nome, empresa e principalmente sua doce guia turística, que não entende o que o fez mudar tanto, porque jamais menciona o tempo que ficaram juntos? Em sua lembrança o carinho e a magia dos momentos vividos e no presente um desejo que queima... 
Uma mulher, dois homens, e um PASSADO... Vidas que se cruzam com um propósito, dívidas que não foram pagas, destinos traçados...


Bem, este é meu novo romance com lançamento previsto para a Bienal do Rio, o que não será possível, pois minha editora querida infelizmente não irá. Assim, farei o lançamento em minha cidade pela ACADEMIA DE LETRAS DE PAÇO DO LUMIAR, com data ainda a definir. Hoje quero lhes mostrar e dividir com meus amigos, leitores e seguidores, minha imensa felicidade, por ter como revisor meu querido professor José Neres, imortal pela ACADEMIA MARANHENSE DE LETRAS, 
Foi meu professor de pós- graduação e meu amigo,  por quem tenho grande admiração tive a honra de ter meu novo livro revisado e melhor ainda prefaciado por este grande escritor. Nossa! Sem palavras, então vejam o que ele diz.

UM TRIÂNGULO ENTRE DUNAS E LENÇÓIS
José Neres
(Professor, escritor e membro da Academia Maranhense de Letras)

            Não é novidade que as semelhanças, ou mesmo as diferenças, entre irmãos gêmeos sempre tem rendido boas páginas literárias ao longo dos tempos. Para citar apenas três exemplos distribuídos ao longo da história da literatura, devemos lembrar a deliciosa Comédia dos Erros (Shakespeare), o envolvente Esaú e Jacó (Machado de Assis) e o tenso Dois Irmãos (Milton Hatoun), obras que exploraram algumas das diversas possibilidades oferecidas pelos conflitos internos e externos de pessoas que às vezes se sentem como se estivessem diante de um espelho vivo que pode até refletir uma imagem física quase perfeita (ou, em alguns casos, distorcida), mas que não é capaz de reproduzir com igual destreza comportamentos, gostos e sentimentos. Pois, por mais que uma pessoa possa se parecer fisicamente com outra, a essência é sempre diferente, uma vez que o ser humano é único não apenas do ponto de vista biológico, mas também com relação a suas concepções de mundo, suas relações com o outro e seus comportamentos.


            É partindo dessa premissa de que irmão podem até ser parecidos, mas sempre serão diferentes, que a escritora maranhense Ahtange Ferreira traz à luz seu novo romance: Teu Olhar, um livro no qual uma conflituosa relação familiar é ressaltada, com direito a múltiplas peripécias e a constantes pontos de clímax que descambam para um desfecho até certo ponto esperado, mas que será capaz de surpreender a muitos leitores.
            Os dois irmãos da história – Luciano e Lucas –, apesar das semelhanças físicas que possibilitam confusões de identificação por parte das demais personagens do livro, têm personalidades não apenas diferentes, mas também conflitantes. Um é o bom moço, correto, ético e bem intencionado. O outro, por sua vez, é o oposto do irmão. Para compor o cenário ideal para a narrativa em que os conflitos e jogos de interesse se multiplicam, surge Vicktória, personagem que não é apenas um ponto em comum entre os irmãos, mas sim o pivô de diversos acontecimentos que nortearão a narrativa.
            Com o arcabouço na narrativa em mãos, a escritora começou a traçar os caminhos para as personagens. Como o eixo narrativa gira em torno do turismo, o cenário escolhido foram as famosas dunas dos Lençóis maranhenses. E, assim como as dunas que se movimentam ao sabor dos ventos, formando paisagens que podem até parecer repetitivas, mas que são únicas e mantêm sua identidade, as personagens também são levadas por um turbilhão de acontecimentos inusitados contra os quais tentam reagir. Em alguns momentos do romance, o amálgama entre os repetitivos e sincronizados movimentos das dunas e o comportamento errante das personagens principais torna-se evidente e serve como recurso estético para a verificação de que tudo pode até parecer igual naquela paisagem, mas, em uma observação mais atenta, as diferenças se tornam visíveis e decisivas.
            Dona de uma narrativa ágil em que a constante movimentação das personagens se torna um imperativo para prender o leitor, Ahtange Ferreira utiliza-se de diversos recursos para manter e compor sua narrativa. Esses recursos vão desde uma forte carga erótica, com descrições detalhadas de relações sexuais entre os principais envolvidos na trama, até uma abordagem mística, passando por suspense, inquirições psicanalíticas, ação policialesca, conflitos familiares, tentativa de análise sociológica e permuta de identidades, entre outras. Esse misto de múltiplos frames narrativos, que faz parte do estilo da romancista, sendo também encontrado em seus outros romances, pode atingir um efeito duplo de recepção, dependendo do leitor que tenha o livro em suas mãos. Os mais clássicos poderão considerar que a obra talvez fragmentada em diversos estilos às vezes conflitantes, com alguns pontos dissonantes e com algumas soluções que destoam do conjunto. Os mais afeitos à ficção moderna, por sua vez, podem se encantar com a agilidade da escrita e com o entrecruzar das diversas tramas que se fundem em busca de um conjunto.
            De qualquer forma, não importando o tipo de leitor e suas expectativas, quem mergulhar nas páginas de Teu Olhar estará diante de um livro que, apesar de algumas cenas mais próximas à estética neo-naturalista, prima por uma visão romântica da realidade, com uma divisão maniqueísta da vida, com o bem e o mal claramente delineados.

            Ler um livro de ficção é de algum modo fazer um acordo de aceitação do que irá se desenrolar ao longo de uma narrativa onde tudo pode acontecer, mesmo que em alguns pontos a realidade e a ficção pareçam não estar em sintonia. Então, para aproveitar ao máximo esta nova obra de Ahtange Ferreira, é preciso despir-se de preconceitos e acompanhar o desenrolar desse triângulo amoroso que vem eivado de mistério e de surpresas que se escondem por trás das dunas e dos segredos das personagens.

1 comentários :

  1. Ansiosa para conhecer esses irmãos! Parabéns pelo sucesso!

    ResponderExcluir

Olá, este é um sonho estou lutando muito para torná-lo uma realidade. Dê sua opinião, critique de forma construtiva.
Obrigada, um abraço indelével.
Carinhosamente Ahtange.